A Vida dos Outros

Como dá para perceber desde o título deste post, pretendo falar do filme alemão que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2008, e que felizmente, por essa razão, permaneceu em cartaz no cinema por um bom tempo. Tempo suficiente para que eu fosse vê-lo, hoje.

É um filme de espionagem, um thriller que se passa na Alemanha Oriental, em meados da década de 80. Um espião da Stasi (a polícia secreta da República Democrática Alemã) é designado para investigar um escritor e sua amante, por meio de constante escuta no apartamento onde moram. Porém, de sua posição de espião, ele acaba se envolvendo na vida daqueles outros que espiava. E daí surge o fio que conduz brilhantemente a narrativa.

Não vou entrar em detalhes, afinal, espero convencer pelo menos alguém a ir assistir. O filme é lindo, emocionante, muito mais do que pode parecer por essa breve descrição. E sua fruição, e a reflexão que ela desperta, não se esgotam na sala de cinema.

A primeira dessas reflexões é acerca da intimidade, e da forma como os regimes totalitários se imiscuem na esfera de vida privada dos cidadãos. O casal investigado é escutado enquanto fazem sexo, enquanto conversam numa festa, enquanto têm conversas e discussões absolutamente íntimas. E tudo isso, supostamente, em nome da preservação do regime.

Mas a reflexão que mais me interessa é aquela acerca dos Outros. A vida dos outros é, essencialmente, um mistério. O que pensaríamos das pessoas que conhecemos, se pudéssemos ouvir os diálogos que travam na intimidade, todos os dias? O que descobriríamos a seu respeito? Será que manteríamos ainda nosso afeto e nossa admiração?

Ou, por outro lado: será que, ao ouvir as conversas de nossos amigos, não poderíamos perceber quão tolos fomos de não os valorizar como deveriam? Será que talvez não percebêssemos o quanto os subestimamos?

A personagem principal do filme mergulha, por meio das vidas alheias, numa rota de mudança sem volta, de humanização. A aproximação com os outros, com seus sentimentos, seus medos e fraquezas, e, até mesmo, com sua grandeza e suas melhores qualidades, tem, nesse filme, um efeito avassalador sobre a vida de um homem.

Talvez possa ter sobre as vidas de todos nós. Aproximar-se do outro, deixar-se tocar pelo que ele traz, procurar a comunicação improvável, é o que nos humaniza. A despeito da vontade louca de nos entocarmos e nos isolarmos, é a busca pelo outro que nos traz de volta ao convívio. Se existe algo de essencialmente humano – o que é uma idéia discutível, penso que esse algo pode ser, exatamente, a capacidade de se ver no outro, e amá-lo por isso.

Anúncios

Um comentário sobre “A Vida dos Outros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s