Carnaval Offline

Com o burro na sombra

Na sexta-feira, coloquei um aviso no meu Orkut: “OFFLINE por todo o Carnaval”. E a verdade é que não estive apenas fora do Orkut, mas completamente offline: sem celular, sem computador, sem nada. Contato com a civilização? Um único orelhão, sempre com fila, ao lado de uma igrejinha e de uns dois ou três botecos. E isso a menos de 3h de BH, no lugarzinho onde eu e o Nando nos enterramos nesse feriado – Lapinha da Serra, um vilarejo que integra o Circuito Turístico da Serra do Cipó.

Para chegar à Lapinha, são cerca de 90km de asfalto, passando por Lagoa Santa, e depois mais 42km de estrada de terra. É um bocado de chão, mas vale a pena, porque a própria estrada já é um passeio – agora, na época das chuvas, o vermelho intenso da terra contrasta com todas as gamas de verde de uma vegetação de cerrado incrivelmente exuberante. Lindo, lindo, lindo.


O mais impressionante é que o lugar é simplesmente um aglomerado de belezas naturais para onde quer que se olhe. Montanhas, cachoeiras, rio, lago, flores, árvores, é até difícil encontrar um enquadramento de foto que não seja de babar. E o que não falta na Lapinha são atrações nos mais diversos níveis de dificuldade para quem gosta de trekking e escalada.



Foram cinco dias de caminhadas, subidas, mergulhos, comida mineira caseira (recomendadíssimo o restaurante Moendas, comandado pela Rosângela e seu tempero maravilhoso), cochilos depois do almoço, longas tardes tocando violão, batendo papo com os vizinhos de pousada, ou simplesmente deixando o tempo passar.

Lapinha é cheia de gente alternativa, uns hippies desgarrados, naturebas em geral, aventureiros, além, é claro, na época do Carnaval, da turma que só quer beber e farrear. Infelizmente, essa turma ia para as cachoeiras e deixava um rastro de lixo, latinhas de cerveja, garrafas plásticas.

Aliás, esse é um dos grandes problemas ali, atualmente: a depredação. Vimos motocicletas pasando por trilhas em que isso é proibido, lixo de todo tipo jogado até mesmo em lugares de difícil acesso, água poluída. Já há diversas iniciativas locais para buscar mais fiscalização, e espero que eles tenham sucesso em minimizar o impacto.

Até alguns anos atrás, nem pousada havia em Lapinha, e era preciso acampar. Hoje, com o crescimento do turismo, já são várias pousadas, além de diversos estabelecimentos – a maior parte bem charmoso e adequado ao clima do lugar. Ficamos na pousada O Pico do Cipó, e adoramos o lugar, tanto pelas instalações, quanto pela simpatia do Paulo e de sua família.

O nome desse lugar, acreditem: Paraíso.

Na noite de terça, para despedir, uma “jam session” improvisada no barzinho natureba da Sandra (caldo de mandioca com alho-poró, aceitam?), com direito a bandolim, percussão de tudo quanto é tipo, e um sambinha bem animado.


Fomos embora na quarta já fazendo planos de voltar para ir aos lugares que ainda não conhecemos.

Depois de um Carnaval desses, o ano pode até começar.

O paredão da Lapinha, no dia em que chegamos
Anúncios

8 comentários sobre “Carnaval Offline

  1. Vou dizer que comecei a ler e pensei: Uia… tá ai um lugar que eu passaria as férias.Mas ai, lógico, você lembrou de que país estava falando: “Aliás, esse é um dos grandes problemas ali, atualmente: a depredação…”:-P

  2. Olá! A coisa (ainda) não é tão feia assim – a Lapinha é um lugar maravilhoso e vale a pena gastar um pedaço das férias lá. Os cinco dias que passamos lá não foram suficientes para ver 1/10 das belezas do lugar. Recomendadíssimo!

  3. Ai ai! saudades de minhas terras tupiniquins! Lembro-me quando fogia do carnaval do Rio para Ouro Preto. Nossa…Mas vou te dizer, que nunca havia me ocorrido em ir escalar em Minas! Agora que você me mostrou o caminho, vou lá! hehehePS.: Finalmente vi a foto do dito cujo! huauhahuauhahuBeijos

  4. Site Frontline mostra como seu pet te faz bem e presenteia com consultas com Alexandre Rossi A partir de agora, donos de cães e gatos podem ganhar uma consulta com Alexandre Rossi e sua equipe. Frontline, o antiparasitário mais conhecido no mercado por garantir proteção máxima contra pulgas e carrapatos, lança artigos e vídeos sobre como seu pet te faz bem no site http://www.frontline.com.br e ao participarem com histórias sobre os diversos temas tratados na revista virtual, os proprietários podem ganhar uma consulta com o especialista em comportamento animal.Atualmente, Alexandre Rossi se dedica ao quadro Dr. Pet, da Rede Record, e está a frente da Organização Cão Cidadão, empresa que oferece, entre outros serviços, consultas comportamentais e adestramento em domicílio. No endereço eletrônico http://www.frontline.com.br podem ser encontrados dicas e vídeos sobre comportamento animal e cuidado com os pets. Para participar, acesse http://www.frontline.com.br e conte uma história de seu pet sobre os temas tratados.Sobre a MerialMerial é um líder mundial em saúde animal, focado na inovação e no fornecimento de uma ampla linha de produtos ligados à prevenção e ao controle sanitário, ao bem-estar e à performance de pequenos, médios e grandes animais. A organização conta com cerca de 5.400 funcionários e tem operações em mais de 150 países. As vendas globais da Merial em 2008 atingiram US$ 2,6 bilhões. A Merial resulta de joint-venture entre a Merck & Co, Inc e a sanofi-aventis. Mais informações: Merial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s