Carta a mim mesma

Como ia dizendo no último post, minha escolha profissional não foi nada simples. No segundo ano do ensino médio, tínhamos que começar a pensar em carreira, porque, na matrícula para o terceiro ano, já teríamos que escolher a área de concentração (Exatas, Humanas, Biológicas) em que teríamos aulas específicas.

Em determinado momento, minhas opções chegaram a oscilar entre ciências biológicas, comunicação social, letras, direito, medicina e filosofia. Pelo menos Exatas já estava descartada! Meus testes vocacionais sempre traziam resultados meio inconclusivos, tinha boas aptidões para várias coisas, mas nada em especial. Ou, como diria a turma do inglês, “jack of all trades, master of none”.

Meu empurrão para o direito acabou tendo vários aspectos. Meu pai defendia que era um curso versátil, que eu poderia usar para o resto da vida mesmo que não exercesse, que eu tinha as habilidades necessárias para me sair bem, e que, se quisesse exercer, tinha um excelente campo de trabalho. O ex-namorado da época era apaixonado pelo direito, e mantínhamos uma competiçao nada saudável. Meu lado ultracompetitivo, inclusive, exultava com a perspectiva de vencer pelo debate.

Sem muita convicção, fiz a inscrição para o vestibular. No dia seguinte àquele em que marquei o xis, a tv a cabo exibiu “O Advogado do Diabo”. Quando o filme terminou, estava aos prantos. Além de competitiva, sou muito vaidosa, e me enxerguei ali, movida pela vaidade, ouvindo a voz de um diabo interior. Naquele dia, tive medo do que poderia me tornar. Então, escrevi uma carta para mim mesma. Tinha 17 anos, e, apesar da linguagem rebuscada (eita menina pedante!) vejo que, ainda hoje, permanece verdadeira.

“Para um tempo futuro:

Estou escrevendo, aqui, coisas de que gostaria de me lembrar. Não amanhã, nem ano que vem. Sempre. Coisas que talvez eu esqueça, por conveniência. É mais fácil esquecer. Mas elas estarão registradas, e isso me obrigará a pensar.

Tenho medo de que a vida escape ao meu controle. Tenho medo de me tornar o que desprezo. Tenho medo de acordar um belo dia e não me reconhecer no espelho.

Começo, então, com a certeza de que o medo existe. E o primeiro desejo: que o medo que sinto me lembre sempre de quem sou, e não me deixe ser arrogante. Se temo, é porque posso falhar, e, portanto, não sou melhor que ninguém.

Nem devo querer sê-lo. Não chegarei a lugar nenhum, e serei uma eterna insatisfeita. Devo, sim, procurar fazer o meu melhor. Tudo o que eu fizer deve ser bem-feito. Se isso tiver algum reconhecimento, bem. Se não, não devo deixar que a vaidade me atormente. Não é, de maneira alguma, o fim do mundo.

Perder também não é o fim do mundo. É natural, acontece, e todos sobrevivem. Feridas no orgulho melhoram depressa. Meu desejo de vencer sempre vai existir, mas não posso deixar que me leve ao desespero. Tudo tem limite. A vitória não é mais importante do que a minha vida, ou a das pessoas que eu amo. Perder não me torna pior. Mas algumas coisas que eu faça para vencer, sim.

Os meus afetos, aliás, devem ter um lugar preponderante. As pessoas que se preocupam comigo, os laços, aqueles a quem amo. São essas pessoas que movem minha vida, são elas que dão algum sentido. Se algo tiver de ser posto em primeiro lugar, são elas. Minha família, meus amigos, meu companheiro (seja lá marido, namorado, o que for). Só por eles vale a pena mudar alguma coisa.

Às vezes, vale a pena mudar, sim. Não quero ser prepotente. Por mais que eu entenda de algum assunto, não sei tudo. Por mais que eu seja capaz, não sou onipotente. Preciso ter a humildade de admitir que não dou conta, e pedir ajuda. Preciso ter a decência de reconhecer meus erros e corrigi-los, ou deixar que sejam corrigidos. Deixar que as pessoas façam as coisas. Confiar que podem, que sabem, e que farão corretamente. Não sou a única do mundo.

As escolhas que eu fizer determinarão a minha vida. As escolhas dirão o que serei. Por mais que eu saiba, em pensamento, qual é a coisa certa a fazer, fazê-la é que dirá quem sou. Sei que terei de fazer escolhas difíceis. Nem sempre o certo será óbvio, e ficarei confusa. Sei que vai doer. Mas quero que as minhas escolhas levem a um bom caminho. Que me conduzam com retidão, ética, honestidade. Que sejam feitas com consciência, como um acordo entre mente e coração. Que não me diminuam como ser humano frente às pessoas que amo, ou pior, frente a mim mesma.

Minha vontade é forte, mas há uma parte de mim que é incontrolável. Com ela, não posso negociar. Não há como oprimir meu próprio desejo. Mas é possível moldá-lo, num exercício constante de persistência. É possível ensinar a ele o que é importante, quais são as prioridades. E assim, talvez, manter na vida uma rota constante, que me leve a algum lugar iluminado.

Escrevo agora, antes que o medo passe. Agora, as referências são claras, nem zarpei do porto, ainda. Mas quando vier a tempestade, ficará só a memória. Devo confiar nela, confiar em mim. Escrevo para reforçar minhas convicções, e recobrar meu ânimo.

Na verdade, acho que é mais simples. Escrevo, simplesmente, para lembrar a quem cabem as escolhas, no fim das contas. Espero ser bem-sucedida.”

Anúncios

5 comentários sobre “Carta a mim mesma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s