Minha presidenta

Eu sou mulher. Feminista. Esquerdinha. Mandona. Atleticana. CDF. Tenho 26 anos, aos 62 é bem provável que esteja gordinha. E com isso, quero dizer que a presidenta eleita no domingo é a minha cara.

“Mas ela não é feminista!”, dirão alguns.

Devo admitir que fiquei mesmo muito decepcionada quando ela recuou na posição sobre o aborto, deixando a imprensa e a oposição pautarem o começo da campanha do segundo turno. Mas não dá pra dizer que não seja feminista uma mulher que considera que pode, sim, ser presidente. E que, em seu primeiro pronunciamento após o resultado, encorajou as mães a dizerem a suas filhas que elas também podem. Feminismo é defender a igualdade de fato e de direito.

(Aliás, vocês sabiam que uma das primeiras providências do presidente Lula, em seu primeiro dia de mandato, foi expedir a Medida Provisória 103, que criou a Secretaria de Políticas para as Mulheres? E que ele defende que ela seja transformada em ministério, para que não possa ser facilmente extinta no futuro?)

Mais do que com a esquerda, a presidenta eleita tem um compromisso com a democracia. É o que ela mesma disse em seu pronunciamento, e na histórica resposta ao senador Agripino Maia: alguém que lutou contra o regime que limitava a liberdade e a verdade não pode jamais desprezar a democracia que conquistou. E nem os vídeos apocalípticos e posts vociferantes de seus opositores podem convencer que essa mulher vá voltar atrás no compromisso que assumiu com a liberdade de expressão.

Ela é mandona. Grosseira, dizem alguns. Agressiva, dizem outros. Incisiva. Contam que fez o presidente da Petrobras chorar. Que não tolera incompetência. E não é nada menos do que isso que eu espero de uma presidenta, que vai precisar enfrentar todo tipo de preconceito e sexismo.

No Twitter, já houve quem perguntasse o que ela vai fazer quando tiver TPM. É de se lembrar, obviamente, que pela idade que tem, ela já deve ter passado a menopausa – o que significa que não tem mais TPM. Mas, se tivesse, faria o que todas as mulheres fazem: conviveria com isso, tomaria um remedinho, e não deixaria que isso afetasse as decisões importantes que precisa tomar. Não somos robozinhos comandados por hormônios – eles nos influenciam, mas somos perfeitamente capazes de agir racionalmente mesmo no auge da oscilação hormonal.

Eliane Brum, da Revista Época, escreveu sobre ela em sua coluna de segunda-feira, questionando a importância, por si só, do fato da chegada de uma mulher à presidência, uma vez que, para tal, foi necessário recorrer a todos os estereótipos de gênero e “feminilizar” a candidata.

Meu pensamento sobre isso é muito simples: a importância da chegada de uma mulher à presidência não se mede, necessariamente, pelo comprometimento dessa mulher com as bandeiras feministas, ou com a quebra dos estereótipos de gênero. A eleição de uma mulher não significa que passará a haver uma alternância, não significa nem mesmo que haverá avanços no campo da igualdade.

A questão aqui é simbólica: se ela chegou, quer dizer que todas podemos. No domingo, logo depois de votar, estava conversando com o porteiro e a faxineira do prédio da minha mãe, em BH. Ambos votaram nela. E a faxineira disse: “ela vai ganhar, e vai mostrar que uma mulher pode fazer tudo o que um homem faz, e não tem que ganhar menos.”

Não sei se ela vai fazer um bom governo – espero que sim. Pretendo estar de olho. Pretendo não me furtar a criticar o que for preciso criticar. Mas uma mulher é presidenta, e é preciso que as mães digam às suas filhas que elas podem.

Parabéns, e obrigada, presidenta Dilma.

Anúncios

5 comentários sobre “Minha presidenta

  1. Pingback: Vagão para mulheres e transgressão « A realidade, Maria, é louca

  2. Boa avaliação. Podemos ter uma deputada feminista, mas não uma Presidente feminista (ela pode ser simpática ao feminismo, mas não pode defender apenas esta bandeira contra todo o resto).

    Presidente tem que governar, fazer aliança, achar consenso. É triste mas é verdade. Só a educação e a luta constante vai combater este tipo de problema, e não o canetaço de uma pessoa. E do ponto de vista da educação, a eleição da Dilma foi uma lição de primeira.

  3. Pingback: O Ano « A realidade, Maria, é louca

  4. Pingback: Feminismo e privilégio « A realidade, Maria, é louca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s